torradas de camarão e gergelim

20 Comments



Os meus últimos cinco anos em Londres foram passados em Notting Hill. Adorava morar lá. Bem central, uma ótima vizinhança, bem cosmopolita. A dona do meu apartamento era uma ótima senhora tailandesa, muito simpática.Ela costuma vir me visitar e saímos para comer juntas e bater papo. Acho que ela era muito sozinha. Seu marido era um inglês muito rico, com várias propriedades em áreas bem valorizadas.E que parecia estar sempre ocupado com alguma coisa.

Ela me apresentou a um pequeno restaurante tailandês perto de onde eu morava. Segundo ela a comida era bem autêntica. Passei muitos anos comendo por lá. As pessoas que trabalhavam no restaurante eram ótimas, simpáticas, alegres. E algo que eu sempre pedia de entrada eram as torradas de camarão e gergelim. O camarão era moidínho, sem cara de camarão. O sabor sempre delicioso.

Quase 4 anos depois de ter me mudado de Londres resolvi preparar as minhas próprias torradas. E usei os camarões picados ao meio. Ai, que saudade daqueles anos e da boa comida. Mas quanto às torradas, sabe o que? Prefiro as minhas. Quem diria.

ingrediente
1 colher de chá de gengibre ralada
1 cebolinha grande bem picadinha
1 clara de ovo batida levemente

1 colher de sopa nivelada de amido de milho

Um pouquinho de óleo de gergelim

Um pouquinho de shoyo
8 colheres de sopa de gergelim tostado

4 torradas de pão integral sem crostas e cortadas ao meio

8 camarões cozidos, dos grandes – picados
Pitadas de sal
Pimenta do reino moída

Óleo vegetal


Coloque o gengibre, a cebolinha, a clara, o amido de milho, o óleo de gergelim, o shoyo, o sal e a pimenta do reino moída numa tigela e misture bem. Coloque o gergelim num pratinho, e os camarões em outro.
Mergulhe cada pedaço de torrada na mistura acima. Ponha pedaços de camarão por cima da torrada e salpique com sementes de gergelim. Esquente o óleo e quando bem quente ponha as torradas na panela. Toste cada torradinha, mas não deixe queimar de jeito nenhum. Transfira as torradas para um prato com papel toalha para retirar qualquer excesso de gordura que esteja dando sopa. Gosto de colocar papel toalha por cima também. Depois é só transferir para um pratinho e servir.

*Inspiração: Ching-he Huang

20 Comments
  • sérgio houri

    Responder

    Valentina. Essas torradas de camarão com semente de gergelim (em chinês “Hsia-Jen-Tu-Ssu”) são, de fato muito boas. Normalmente, são servidas como entradas (“hors d’oeuvre”, em francês), mas podem ser como tira-gosto. Apenas lembro que, conforme alerta o livro “O Sabor do Oriente”, da editora Edelbra, deve-se usar camarões crus, porque os cozidos correm o risco de se separarem do pão durante o cozimento. Respondendo a dúvidas manifestadas acima, por leitores seus – que nem eu -, os camarões devem ser batidos com um cutelo ou faca pesada até ser reduzidos a uma massa. Depois, essa massa deve ser misturada a um pouco de banha (mais consistente do que manteiga), para formar uma pasta homogênea e, assim, poderem ser fixados à fatia de pão. Após isso, deve-se pressionar o lado da fatia de pão com a pasta sobre os grãos de gergelim previamente espalhados sobre um prato pequeno. Quando o óleo estiver um pouco quente (não muito, para não queimar as fatias de pão) em um tacho chinês ou numa frigideira mais funda, frite as fatias de pão com o lado da pasta para baixo, por uns 2-3 minutos, retirando-as e escorrendo-as em um papel-toalha. Só aí é que a casca das fatias de pão devem ser descartadas. Espero ter contribuído para concretizar a feitura dessa entrada deliciosa. Um abraço, Sérgio.

  • Cris

    Responder

    Valentina, quando fui para Londres era tão inexperiente que não fui para Notting Hill, e nem experimentei comidas diferentes… fosse hoje, eu viraria esta cidade de cabeça para baixo… Uma dúvida, você mergulha as torradas na tigela com o molho, e o camarão só é temperado com o gergelim, desculpa amiga, é que fiquei tentada a fazer e não sei se entendi o modo de preparo. Bjs!

  • Marizé

    Responder

    Que delicia de receita.Só não percebi, como é no momento da fritura, o óleo onde frita é só um pouquinho para alourar a base, é isso?Bjs

  • Tia Gio

    Responder

    Olha que pena eu não saber isso antes senão teria ido la experimentar esse restaurante quando la estive o mês passado, eheheheh adoro Londres e adoro Notting Hill.

  • Patricia

    Responder

    Amiga, adorei conhecer Notting Hill contigo, viu? Saudades da viagem!Ah, e esta foto… Bem, está simplesmente maravilhosa!

  • bia

    Responder

    Que delicia morar em Notting Hill ! Nao conheço as torradas originais, mas acho que as suas devem ser melhores mesmo ! bjs

  • Eliana Scaramal

    Responder

    Tina que coisa mas delicada essas torradinhas!! Amei!!!

  • Letrícia

    Responder

    Adorei esse post. A história é tão saborosa quanto a receita! Beijos!

  • Gi

    Responder

    Valentina!!!estou completamente apaixonada pelo Trem Bom!! as receitas, as fotos, o seu cuidado com tudo! posso roubar receitinhas? 😛vou adicionar seu blog no meu blog culinário que existe há pouquinho tempo :] aparece por lá!beijoca!Gicoffeeandcoffee.blogspot.com

  • receitinhas da belinhagulosinha

    Responder

    k bom aspecto valentina…..bjokas

  • laila

    Responder

    estao lindas as torradinhas!mto chiques e devem ser bem gostosas…a comida tailandesa é especial, né?bjos

  • Vânia

    Responder

    Apaixonada pelo seu blog!!!!!Um beijo

  • Laranja com Canela

    Responder

    Que delícia. Também me apetecia provar essas torradinhas super apetitosas.

  • Agdah

    Responder

    Pegando carona no comentário de Nina, eu diria que até a comida brasileira causa estranhamento de região para região. As toradinhas devem ter ficado mesmo muito deliciosas. Deu vontade de comer uma.

  • Marcel Miwa & Nina Moori

    Responder

    Em São Paulo, temos apenas 2 restaurantes tailandeses, e um deles ainda serve outras cozinhas asiáticas.O barsileiro ainda não aceita tão fácil o paladar de outras culturas (exceto italiana, árabe e um toque de japonesa).Adoro ver os blogs de fora do Brasil são a melhor forma de me manter antenada nas novidades e cultura.As torradinhas estão chiquérrimas!bjinho,Nina.

  • Amehlia

    Responder

    Valentina,Como não a conheço, depois de contar sua história, fui ‘obrigada’ a criar na minha mente uma ‘Valentina Roberts’, afinal pra mim Notting Hill é a cara do filme…:]Formosa de rosto e ‘boua’ de fogão…está feita!!..rsObrigada pela idéia dos camarões picadinhos, sou uma veggie que precisa aprender a comer os moradores do mar, mas confesso q não consigo encarar o camarão por sua forma que me lembra outra coisa terrestre (argh)…essa dica pode mudar minha forma de pensar…:)Tudibão procê!Vinni

  • Michel

    Responder

    Num mmentinho descontraído isso cai muito bem. Abraços

  • Migas

    Responder

    A foto está linda, o nome é muito sugestivo…que petisco mesmo bom!!Que zona bonita para viver, Notting Hill…com o seu mercado de Portobelo, não é? Estive aí está a fazer agora um ano e, a semana passada tive um desgosto enorme…Perdi todas as minhas fotos daí e das férias de este ano, em Roma… É mesmo uma desulisão porque eu adoro ver fotos, mais tarde. Acho que aprendi com o erro e agora vou ter mesmo de passar a imprimi-las.Conclusão Valentina: acho que vou ter de fazer o “sacríficio” de voltar aí!Beijinhos!

  • semente de sésamo

    Responder

    As torradinhas devem ser muito boas mas a foto está um assombro!

  • Akemi

    Responder

    Valentina, adorei saber um pouco mais sobre sua vida em Londres e confesso que fiquei verdinha de inveja! Pelo que vejo em fotos, filmes…Notting Hill é um charme! Fiquei babando nas torradinhas, super chiques amiga!

Leave a Comment