Pequi

7 Comments

Estas fotos aão uma homenagem a Eliana Scamaral. Quando vi estes pequis na feira só me lembrei dela pois são os pequis destas bandas.No nordeste também temos pequi. Bom,sei que no Ceará o temos. Só que o de lá é um pouco diferente do de Goiás. Tive um acidente comendo pequi do Goiás e assim aprendi na prática a diferença – acabei com uma língua cheia de espinhos.

Um pouquinho de informação para quem se interessar:

Pertencente à família Caryocaraceae, o pequi é uma espécie vegetal de grande valor econômico para o sistema dos Cerrados. Nesse ambiente, é registrada a ocorrência de duas espécies: Caryocar brasiliense e Caryocar glabrum.

A primeira espécie ocorre com mais freqüência do centro-sul de Goiás ao Mato Grosso do Sul, as plantas atingem até seis metros de altura, têm folhas largas e frutos arredondados de até dez centímetros de diâmetro. A segunda espécie é mais freqüente na bacia do médio Rio Tocantins e na vertente oeste do Rio São Francisco (oeste da Bahia, oeste e norte de Minas Gerais). A planta é maior que a primeira espécie e os frutos também.

Em ambas, a castanha é recoberta por um invólucro rico em espinhos pretos e finos. O invólucro é revestido por uma polpa amarelada (às vezes mais esbranquiçada), pastosa, farinácea, oleaginosa e rica em vitamina A e proteínas.

As populações indígenas e caboclas (neobrasileiras) têm utilizado o pequi de diversas maneiras: produção de óleo comestível, preparo de pratos e fabricação de licores e sabões. Confira no receituário sertanejo.

(fonte: http://www.altiplano.com.br/Pequi2.html)

7 Comments
  • karynne abrantes

    Responder

    VALENTINA GOSTO MUITO DE PEQUI, APRENDI A COMER COM MEU MARIDO, QUE É DE JUAZEIRO DO NORTE, MAS COMO CONGELAMOS
    E TEMOS O ANO INTEIRO, JÁ NÃO SEI O QUE FAZER COM ELES… JÁ TÔ FICANDO AMARELA. KKKKKK

  • Anonymous

    Responder

    Valentina, uma vez vi uma receita de frango com pequi na televisão (eu devia ter uns 12 anos de idade) e fiquei curiosa com tal frutinha. Ficava imaginando os espinhos, etc. Curiosidade pura. Achei o máximo este post sobre a Eliana. Mesmo sem conhecê-la e sem mesmo conhecer pequi “pessoalmente” sempre lembro dela quando vejo.

  • Regina

    Responder

    Adoro suas pesquisas. E tenho vontade de comer arroz com pequi, queria saber como é…

  • Eliana Scaramal

    Responder

    Valentina que coisa mais linda! Os que compro aqui em sampa são esses ai do vidro em conserva e é essa marca ai mesmo. Muito obrigada pelo post fiquei emocionada me trouxe tantas lembranças boas. Fiquei muito feliz mesmo.

  • Karen

    Responder

    Valentina, o acidente aconteceu porque o pequi de Goiás tem mais mais espinhos, ou porque ele é menos carnudo? Pergunta boba, mas eu não conheço nenhum dos dois.

  • Jana

    Responder

    oi Valentina, sou de Goiás e adoro pequi. Estive lá agora no Natal e trouxe massa de pequi pra fazer com arroz. hummmmmm… gostei muito do post.bjs

  • Fezoca

    Responder

    Valentina, quanta coisa gostosa! Essa eh uma viagem gastronomica. Eu nunca comi dessas frutas, acho que estou perdendo tanta coisa legal. Aproveite muito a sua estadia ai. beijao!

Leave a Comment