canjica da vovó Maria – para Tatu

20 Comments

A minha vó materna, Dona Maria era paraibana, da Serra dos Queimados, na proximidade de Campina Grande. Minha mãe conta que esta canjica era feita por ela na Páscoa, pois era uma época do ano em que se tinha muito milho verde naquela região. Vovó fazia uma porção imensa, pois sua família era de 9 filhos, mais sobrinhos que vinham para o almoço da Páscoa. Ela fazia panelões de canjica, pamonha. O milho é um alimento muito popular na Paraíba. Para o leite de coco vovó pegava o coco, ralava e coava, e depois utilizava nas suas receitas. Graças a Deus que pego a minha latinha na prateleira do supermercado. Confesso que até contemplei quebrar um coco que anda habitando a minha cozinha para reproduzir a receita o mais fielmente possível. Entretanto decidi ser fiel só no ralar do milho. E como o meu ralador tem uns buracos imensos ainda acabei passando o milho pelo liquidificador.

Reduzi a receita, pois não tenho família de 9 pessoas. Quando você ralar o milho se achar que a quantidade não será o suficiente para as bocas que espera alimentar, vá ralando mais. E aumente a quantidade dos outros ingredientes de acordo com o tanto a mais de milho que usar.

Ingredientes:

  • 4 espigas de milho
  • ½ xícara de leite ( 125ml)
  • ½ xícara de leite de coco (125ml)
  • açúcar
  • canela em pó para polvilhar
Rale as espigas de milho numa vasilha – com vontade.Se você tiver um ralador bem fininho não precisará bater no liquidificador. Como o ralador que usei tem uns cravos enormes pus o milho ralado no liquidificador e bati bem com uma parte dos 125ml de leite. Passe tudo por uma peneira e transfira para uma panela. Em seguida vá acrescentando o leite normal e o de coco aos poucos pois dependendo da quantidade de milho que foi ralada precisará de mais ou menos leite. Acrescente também o açúcar de acordo com o seu gosto. Se você for formiguinha vai querer mais. Vá mexendo em fogo médio até a canjica engrossar. Retire do fogo, transfira para umas tigelinhas e polvilhe com a canela. Leve à geladeira por umas 2 horas antes de servir. Assim a sua canjica ficará bem geladinha e maravilhosa.
20 Comments
  • Micheline e Jorge

    Responder

    Que delícia encontrar seu blog! Que beleza de visual! Vou experimentar sua receita, que eu conheço como curau de milho verde. Tenho uma amiga que um dia fez aqui em casa uma parecida!
    E adorei saber sua trajetória! Eu sou egípcia, moro no Rio, morei quase dois anos no Ceará…e tenho um filho fazendo doutorado nas terras da rainha!
    Obrigada por seu blog! Micheline

  • bia

    Responder

    ta na hora de experimentar esta canjica !!! bjs

  • valentina

    Responder

    Pat, também gosto.E comi hoje depois de muito tempo.foi uma ótima viagem no tempo.Ana, A canjica do nordeste é chamada de curau no sul.Tatu, o prazer foi meu pois foi você que me inspirou.Cris, devia ser muito legal.Puxa, deves ter ótimas memórias.Luna, morro de saudade de pamonhas amiga.Eli, eu bem sei amiga. E no Goiás sempre temos milho,ne?!/ Se come bem canjica por lá.Claudia querida, como vivi muito no Centro oeste também falo curau de vez em quando. Agda, gosto de mugunzá tambem. mamae às vezes fazia.Claudia querida, nao sei o que aconteceu com este email.perdao!Marcia, entendo a tua avo nao querer mais fazer. mas deves ter otimas memórias.Elvira amiga, é bem simples de fazer. Acho que gostaras do sabor.Clarice amiga, não é costume se colocar leite de coco mas minha vó o fazia.Silvia querida, no nordeste chamamos de canjica. Voces no sul chamam de curau. mas é a mesma coisa.Telma querida, adorei receber a tua visita. E saber dos costumes de Moçambique. Qual é o teu blog? Adoraria visitá-lo.Geórgia, se fizeres me diz se gostastes.

  • Geórgia

    Responder

    Adoro canjica, mas nunca fiz com coco, vou tentar. Bjs. ;o)

  • Telma

    Responder

    OI Valentina, é a primeira vez que comento no teu blog, decidi comentar porque achei interessante essa receita, canjica. É curioso dizeres que compras o leite de coco já na latinha, no supermercado, aqui em Moçambique, nós ainda ralamos e coamos o leite, se quisermos fazer alguma receita que leve leite de coco, apesar de já se encontrar a venda nos supermercados (produto brasileiro). Apesar de o meu blog não ser um foodblog eu gosto muito de visitar, pois admiro quem tem jeito para a culinária. Um óptimo dia para ti. Beijinhos

  • Silvia Arruda

    Responder

    Valentina, é verdade mesmo… no Brasil chamamos esse doce de curau.. A canjica a gente compra em grãos no supermercado, como grão de bico e milho de pipoca, por exemplo. Eu gosto mto de curau e pamonha, doces típicos brasileiros, feitos com milho e tradicionais das festas juninas!

  • Akemi

    Responder

    Que delícia, Valentina! Nunca coloquei leite de coco, deve ficar muito mais gostoso! Hummm! E a foto está show, amiga!

  • Elvira

    Responder

    Gostaria de provar um dia esse docinho tão brasileiro! 🙂

  • Cláudia A.

    Responder

    Valetina, eu enviei o llink para o seu e-mail pessoal e para o do Colher de Tacho. Obrigada querida.

  • Márcia

    Responder

    Amiga a Tatu bem que merece estas canjiquinhas…a homenagem a Recife ficou bela.Valentina, Junho é mês de comemorar e a primeira é o dia dos namorados e vem São João, São Pedro e Santo Antonio,rsssss!!!Santa Márcia!!!!é certamente, uma ótima ocasião para saborerar uma Canjica deliciosa!Beijos

  • Márcia

    Responder

    Acho q canjica é receitinha de vó, né? A minha tb fazia em um caldeirão imenso, mas hj não tem mais paciência – uma pena…Amo todas as comidas juninas, inclusive hj meu jantar será pamonha com queijo coalho frito… hummmmBeijos!!!

  • Cláudia A.

    Responder

    Val, desculpe por invadir esse espaço mas vai ser rapidinho. Postei uma receita para o rei da quinzena e mandei o link por e-mail para você, ele chegou? Beijo.

  • Agdah

    Responder

    Menina, minha avó fazia canjica assim também. Ralava o milho verde na hora. Em Salvador, canjica é amarela, doce e servida com canela. Nunca ouvi usarem o termo curau por lá. Mas tem mugunzá que é feito com milho branco e leite de coco, pra comer de colher.

  • Cláudia A.

    Responder

    Valentina, eu babei pela sua canjica que para mim é curau. Gostei da história também, muito linda a sua avó. Beijinho.

  • Eliana Scaramal

    Responder

    Aí Val você bem sabe como gosto das receitas carregadas de histórias né?! Eu também conheço como curau, mas está tudo lindo! Eu fiquei morrendo de vontade de pegar um pra mim. hehehe

  • lunalestrie

    Responder

    Que gostoso, eu adorava canjica e pamonha quando era criança, faz tempo que não como uma bem feita assim.

  • Cris

    Responder

    Hum Valentina, me lembrei dos meus tempos de criança que se reuniam as tias todas em casa para fazer curau e pamonha, era uma festa! Bjs!

  • Tatu

    Responder

    OOooo Valentina! Que história mais linda da vó! : )Muitíssimo obrigada pela delícia de receita e de post!!Beijo grande de açúcar com canela!Tatu

  • Ana

    Responder

    Ahhh, que interessante! Eu tbem conheco essa receita como Curau!! Meu pai adora esse doce!Em SP a canjica eh feita com um tipo diferente de milho… nem sei como te falar o nome, pois sempre conheci ele como “milho para canjica”! hehehe!!!Beijos!Ana

  • Patricia Scarpin

    Responder

    Tina, que água na boca!! Eu adoro curau – é assim que chamamos esta canjica aqui em SP.Fazia muito quando era adolescente, meu pai ama e a Jéssica era pequenininha e tb adorava. Ficaram deslumbrantes as tuas fotos, e o post sobre a vovó ficou lindo também.

Leave a Comment